Goleiro Bruno diz o que pretende fazer com o filho após teste de DNA e indigna avó do menino; ‘não tem cabimento’
13/05/2023

PUBLICIDADE

O ex-goleiro Bruno Fernandes, que cumpriu pena por participação no assassinato da mãe de seu filho, Eliza Samudio, e agora está em liberdade condicional, revelou em uma entrevista recente que deseja treinar o filho, caso o resultado do teste de DNA seja positivo.

Mãe de Eliza Samudio rebate desejo de Bruno em treinar o filho em caso de DNA positivo: “Não tem cabimento”

No entanto, a mãe de Eliza Samudio, Sônia de Fátima Moura, rebateu o desejo do ex-goleiro em uma entrevista à imprensa. Segundo ela, Bruno não tem o direito de se aproximar do filho, após o que ele fez com a mãe da criança. Ela também disse que é uma “falta de respeito” o ex-goleiro falar sobre o filho dessa maneira, quando ainda não há um resultado oficial do teste de DNA.

PUBLICIDADE

O caso de Eliza Samudio chocou o Brasil em 2010, quando ela foi sequestrada e assassinada pelo ex-goleiro e seus comparsas. O corpo de Eliza nunca foi encontrado, e o filho dela com Bruno, agora com 12 anos de idade, vive com a avó materna.

Os impactos na vida da família

O caso teve um grande impacto na vida da família de Eliza, que ainda luta para lidar com a perda e as consequências do crime. A mãe de Eliza relatou que ela e seu neto ainda enfrentam muitas dificuldades, e que o garoto sofre com o fato de não ter uma mãe presente em sua vida.

Ela disse que, se o resultado do teste de DNA for positivo, o ex-goleiro não deve ser autorizado a se aproximar do filho, e que a guarda da criança deve ser mantida com a família materna.

A importância da proteção à vítima e seus familiares

PUBLICIDADE

O caso de Eliza Samudio ressalta a importância da proteção à vítima e seus familiares em casos de violência doméstica e feminicídio. É fundamental que as autoridades tomem medidas para garantir a segurança e o bem-estar daqueles que são afetados por esses crimes, e que os agressores sejam responsabilizados por seus atos.

É necessário lembrar que a vítima não é a única a sofrer com a violência doméstica e o feminicídio, e que seus familiares também precisam de apoio e proteção. O caso de Eliza Samudio é um exemplo claro disso, e deve servir como um lembrete de que a violência contra as mulheres é um problema grave que precisa ser combatido em todas as suas formas.

PUBLICIDADE

AD
Flash news